Aventureiro rural: marceneiro de Patrocínio do Muriaé constrói seu próprio veleiro e vai atravessar o Atlântico

José Maria e o veleiro em construção. Será colocado nas águas da Baia de Guanabara-RJ

O barco é deste modelo, o SAMOA 28

E O VELEIRO JÁ TEM NOME: NIKITI. Depois de uma temporada de sete anos na Itália, onde trabalhou, conheceu boa parte do país, teve em 2007 o nascimento da filha Militina Chiara lá e ainda passou um período de trabalho no Canadá (Toronto em 2010), o marceneiro filho de Patrocínio do Muriaé, José Maria Simon, voltou à sua terra natal e deu início a um projeto especial em sociedade com o amigo de Niterói-RJ, Maurício Araújo.

Trata-se da construção de um barco SAMOA 28, de 28 pés, que ganhará o nome de Nikiti. O veleiro terá capacidade para quatro a seis pessoas e poderá fazer longas viagens (projeto deste tipo de embarcação é do engenheiro naval, Roberto Barros).

De volta ao Brasil, outro filho nasceu o Ângelo, agora está ele, a esposa Elisângela e um casal de filhos vivendo na zona rural de Patrocínio do Muriaé, mas isso por pouco tempo, pois devem retornar à Itália, país onde são naturalizados devido a sua descendência (família “Simon”). O marceneiro faz móveis finos, estilo europeu e com qualidade, inclusive para artistas e empresários. A simplicidade do marceneiro como pessoa é um dos pontos positivos.

Voltando a falar do veleiro SAMOA 28, ele ainda deve demorar a ficar pronto, seu projeto será acompanhado da Itália e, em um futuro breve, ao ser concluído (depois de mobiliado e equipado), será levado para as águas da Baia de Guanabara, em Niterói, no Rio de Janeiro.

Depois de cuidar de todo o processo para que possa fazer a viagem rumo a Europa, o barco estará pronto para a travessia do Oceano Atlântico, seguindo a Linha do Equador. E a bordo dele, profissionais da navegação e claro, o José Maria e o sócio Maurício. VEJA MAIS FOTOS clicando logo abaixo em “Leia Mais”.

     

Ver Mais Notícias

20 Comments

  1. Deveis incuândo parece arguéim pra fazê viaije mundo afora. Aconcêio levá rapadura, fubá e farinha dágua. Pra chegá no mar e só pegá o Muriaé inté Tapiruna, Italva e Cardoso Morera. Adispois ele junta com Paraíba e vái inté São Jão da Barra, adonde pega o Atrântico. É aí que a viola vira caco, pucauzo dazonda de déiz meto, tissunami,  vento qui assubia, tubarão no resguardo e baleia cum dô de dente. Aconcêio  inhânte, travá uma jura com santo da sua cunfiança, tratá dos passarim, dá trêis vorta na chave e amuntá na canoua. O mar fica pra lá da pedra da Santa Maria umas trinta légua.

    1. Parabens Grande Jose Maria!!! Que esse seu projeto show de bola se concretize no tempo certo e com muito sucesso,voçe vai entrar pra historia da regiao e da sua vida e todos os seus,tudo de melhor hj e sempre,grande abraço e fique com DEUS!!!!

       

  2. Feliz em ler essa notícia, conheço a família e os netos de Agostinha. Boa sorte em sua jornada espiritual e nova fase bem proxímo de quem ama, mais que excelente profissional, o que faz um homem além de seus sonhos, é a capacidade de realiza-los. Deus te acompanhe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *