Militares de Minas ameaçam parar e fazem manifestação na capital. Governador reuniu a tarde com as lideranças

19 de dezembro de 2016


Segundo a  imprensa da capital, policiais militares de Minas Gerais, tanto do interior como da capital, decidiram nesta segunda-feira (19), durante manifestação contra o Projeto de Lei Complementar (PLP) 257, que prevê regras para a renegociação de dívidas dos estados com a União, aderir a uma paralisação geral no Estado. De acordo com a Associação dos Militares Estaduais de Minas Gerais (Ámem), os policiais não sairão para a rua até segunda ordem.

"A Ámem informou que a decisão foi tomada após uma votação com os militares presentes na manifestação. De acordo com a associação, os militares responderão normalmente a chamadas nos quartéis, mas não sairão às ruas, o que significa que ficarão aquartelados, segundo eles, até que a decisão seja revogada. Por telefone, o chefe da Sala de Imprensa da Polícia Militar, capitão Flávio Santiago, informou que a decisão não é institucional. "O alto comando participou e apoiou a manifestação desta segunda-feira, mas a paralisação não é uma decisão institucional, é uma decisão por conta das próprias lideranças das associações" foi relatado ao Jornal Hoje em Dia. 

Já no final da tarde a Assessoria de Imprensa do Governo de Minas divulgou o encontro do governador Pimentel com integrantes da PMMG. Participaram do encontro o chefe do Gabinete Militar, coronel Helbert Figueiró; o secretário da Fazenda, José Afonso Bicalho; o comandante geral do Corpo de Bombeiros, Luiz Henrique Gualberto; o chefe do Estado Maior dos Bombeiros, coronel Hélder Ângelo; o coronel Zeder Gonçalves, da União dos Militares; o tenente coronel Ailton Cirilo, da Associação dos Oficiais; o sargento Marco Antônio Bahia, da Associação dos Praças; o chefe do gabinete do deputado federal Subtenente Gonzaga, Heder Martins; o assessor militar da Assembleia Legislativa, coronel Gedir; e o diretor de comunicação organizacional da PM, coronel Márvio Cristo Moreira.
 
Projeto de Lei Complementar 257, que impõe contrapartidas para a renegociação da dívida dos estados, foi tema do encontro. O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, reuniu-se nesta segunda-feira (19/12), na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, com integrantes da Polícia Militar do Estado para tratar do Projeto de Lei Complementar (PLP) 257 em tramitação no Congresso Nacional. Em coletiva à imprensa após o encontro, o secretário de Estado de Governo, Odair Cunha externou a posição do Governo do Estado que considera “desproporcionais as contrapartidas colocadas no projeto”. Foto: Cristiano Machado/Hoje em Dia. Colaboração: Hoje em Dia/Assessoria Comunicação Governo de Minas.

SAIBA MAIS SOBRE O ASSUNTO E A REUNIÃO DA TARDE DESTA SEGUNDA CLICANDO LOGO ABAIXO EM "LEIA MAIS".

De acordo com o secretário, exigências como a apresentação de um plano de desestatização de empresas mineiras, a proibição de promoções de servidores militares e civis, o impedimento de repasses de transferências voluntárias para Estados e municípios e o veto a publicidades, entre outras contrapartidas, tornam a proposta ineficaz para a solução dos problemas financeiros dos estados.

“A reunião foi positiva. Tivemos a oportunidade de nos reunir com representantes da PM a fim de esclarecer a posição do governador Fernando Pimentel e do seu Governo sobre o PLP 257. Entendemos que as contrapartidas colocadas no projeto são desproporcionais, desmedidas e, ao contrário do que pretendem, que é solucionar a crise, aprofundam a crise”, afirmou o secretário.

“É preciso dizer que nós estamos falando a respeito de um projeto de lei que foi votado na Câmara dos Deputados, foi ao Senado, e o Senado incluiu exigências e criou um plano de recuperação fiscal. Nesse plano ele colocou imposições às quais nós somos absolutamente contrários. Entendemos que há uma crise, essa crise precisa ser tratada, mas o tempo que o projeto de lei coloca é muito grande. O projeto originalmente tratava apenas do refinanciamento das dívidas dos estados. O Senado incluiu o plano de recuperação fiscal incluindo então essas exigências que nós entendemos descabidas”, completou Odair Cunha.

Ainda de acordo com o secretário de Governo, caso a proposta seja votada no Senado e em seguida sancionada pelo Governo federal da forma como está hoje, o governador de Minas Gerais “não vai aderir ao programa de recuperação fiscal”. “Proíbe, por exemplo, a publicidade de volta às aulas, de pagamento de IPVA. Ou seja, nós, se fizermos a adesão a esse plano tal qual está podemos entregar a chave do Estado para o Governo federal. É a negação do Estado e da autonomia federativa”, salientou.

O Governo de Minas Gerais, segundo Odair, já procurou os líderes e coordenadores da bancada de Minas no Congresso para discutir a matéria. “Entendemos o esforço do Governo federal de colaborar com os estados, mas essa forma de colaborar não resolve o problema dos estados. Não resolve o problema de Minas como não resolve o de vários outros estados”, finalizou.

16 Comentários

  1. O Brasil tem que desmilitarizar a polícia!

  2. Concordo com você Anderson!. Ou então entrega a segurança pública para as Forças Armadas. Aí sim. A HISTÓRIA É OUTRA!. Nas Forças Armadas sim, EU CONFIO!. …… Acabou. As Forças Armadas sim, garantem a ordem. Quem vai entrar com as tropas federais?. Quem afronta Exército, Marinha e Aeronáutica?. Quem?. Já passou da hora das Forças Armadas tomarem a segurança pública no país. E tomar o poder das mãos do Presidente da República também. Aí sim!. O PAÍS SERIA OUTRO!. Quero ver estrupador, assaltante, traficante se dar bem… Pago para ver…

  3. Desmilitarizar pra que?
    Cara se vc não sabe o que falar entao não fale, temos a melhor polícia do Brasil, hoje qual instituição tem atende 24 horas por dia? Dae vc pode dizer, que quando liga o 190 não é atendido, porém isso não é culpa da pm, é a falta de efetivo. Temos quatro deputados em Muriaé, e nunca você ouviu ou viu uma matéria deles informando que trouxe mais POLICIAIS para Muriaé. Se a pm foi desmilitarizada não seria organizada como hoje.
    Imagina se os políticos fossem militares, não estaria ocorrendo isso. Vivi no período dá ditadura eu e minhas amigas e amigos, e nunca fomos presos ou torturados pela ditadura.
    Tomará que nossos policiais de Muriaé não veja o que vc falou.

  4. As polícias militares são instituições regulares que ainda garantem certa governabilidade a estes déspotas que se  dizem integros para a função da gestão pública.No dia em que pararem, não só esses infelizes governantes sentirão o peso da ausência, mas também essa sociedade hipocritamente brasileira, que, na hora do desespero vai ligar pro Batman e o Alfred não vai atender!

  5. Eu acho que deveriam frear um pouco as promoções  por tempo de serviço.

  6. Se o PLP é federal pq a PM que é do Estado parou?

    Tudo bem que tem que ser discutido, mas com greve? Aí já é de mais.

  7. …O VESTIR UMA FARDA QUENTE, PESADA, COM UM COLETE A PROVA DE BALAS QUE PESA QUASE  O PESO DO CORPO DO HOMEM QUE O POSSUI, COM UM SINTURÃO SUPER PESADO TAMBÉM E VÁ CORRER ATRÁS DE BANDIDOS DE BERMUDA E SEM CAMISA…..

    SÃO OS POLICIAS QUE ENFRENTAM A VIDA PARA PROTEGER AS NOSSAS.  

    E A LEI, SABE O QUE FAZ? DÃO LIBERDADE AOS BANDIDOS E PRENDEM SEM SORTE A POLICIA MILITAR! 

    POLICIA MILITAR À VOCÊS AQUI ESTÁ TODO O MEU RESPEITO!

     

  8. Mas MG elegeu dilmANTA e Pimentel. Queriam o que?

  9. querem que o povo paqgue as contas, direitos adiquiridos , igual aposentadoria do trabalhador privado 35anos de trabalho para homens e 30 anos para mulheres.

    ATENÇÃO RENZO BRAZ E MISAEL VARELA ,esta correndo em toda minas gerais não vamos votar em 2018  deputados e senadores que for a favor da reforma da previdencia, temos as melhores armas NOSSO TITULO DE ELEITOR, vamos fazer ele valer.

  10. A Policia tem que parar e exigir seus direitos, muitos "cidadãos" contrários a Instituição teriam a noção exata de que o acontece realmente sem policia durante apenas 24 horas e não se iludam que as força armadas resolvam, pois os guerreiros sofrem assim como as Policias estaduais e Bombeiros o mesmo problema falta de investimento e descaso por parte do governo, pois os governantes que escolhemos não servem para nada. "O PROBLEMA DO BRASIL SÃO OS BRASILEIROS".

  11. temos que acabar com camara dos deputados e senado federal. Fazer uma reforma na Justiça o melhor|.Rasgar a costituição federal.Passar a ter pena de morte para Politicos ladrões.

  12. resaltando quem não gosta de policia e bandido, cidadão de bem , tem a policia como seu aliado, (nao sou militar , nem tive interesse de ser,  mas um trabalho de risco ,são guerreiros e valentes , podem estar armados mas tambem são alvos  e acima de tudo são seres humanos igual a gente ) como toda profissão tem os tomates pobres não podemos julgar a corporação, pelo policial de má conduta ISSO AI PM JUNTE A LUTA DO POVO BRASILEIRO CONTRA A CORRUPÇÃO

  13. SOU PM PERTENCENTE AS FILEIRAS DA POLICIA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS E DIGO COM ORGULHO. " A MELHOR E MAIS CORAJOSA POLICIA DO BRASIL". PARA VOCES QUE NÃO CONHECEM A PMMG VAI UMA DICA SÃO QUASE 250 ANOS DE EXISTENCIA COM VALOROSOS GUERREIROS QUE JÁ DEFENDERAM ATÉ O PAÍS, QUE TEVE NO BRAVO ALFERES O TIRADENTES NOSSO PATRONO UM EXCELENTE EXEMPLO DO QUE É LUTAR PELA LIBERDADE DE UM POVO. NÃO VAI SER UM GOVERNO DE CORRUPTOS QUE VAI DERRUBAR NOSSA GLORIOSA PMMG. A AQUELES QUE NÃO NOS CONSIDERAM CORAJOSOS FICA A RESPOSTA: ALÉM DE LUTARMOS CONTRA BANDIDOS ARMADOS TAMBÉM LUTAMOS COM AQUELES DE PALETO E GRAVATA O QUE MUITOS NÃO TEM A CORAGEM DE FAZER.

    POR ISSO TENHO ORGULHO DE SER PM E DE PERTENCE A ESSA HISTÓRIA CONSTRUIDA COM O SANGUE E SUOR DE MUITOS VALOROSOS GUERREIROS!

Comente esta notícia

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios devem ser preenchidos *

*

Scroll To Top